12 de janeiro de 2009

mentiras de plástico


Eu pude ver suas mentiras aqui.
Caíam como folhas secas junto aos meus pés, e amontoaram-se umas sobre as outras.
eram apenas corações negros despedaçados.
Eu as ouvi tão próximo de mim..
quase pude sentir seu gosto áspero, porém adocicado.
E venenoso;
Completavam um ciclo de palavras planejadas cuidadosamente, até que eu as toquei.
Libertei cada uma de seus casulos, e elas sorriram de volta pra mim.
Mas quando acordei, elas estavam ao meu lado, insistentes.
Tentei cuspi-las de volta pra você, mas elas não saíram de mim.
Era um pouco tarde demais para tal.
Desejei não estar só em casa, desejei não estar ligeiramente esquecida ,tampouco mal-humorada outra vez.
Também quis ter o poder de segurar suas mentiras pelas mãos, torcê-las e sufocá-las até que dissolvessem e virassem pó.
Somente assim elas não estariam mais presentes em cada pesadelo meu.
Eu não gostaria de ter que afastar de mim tantos corações negros como tive de fazer.
:3

3 commentaires:

noelle disse...

gostei daqui também.

e essa frase: Libertei cada uma de seus casulos, e elas sorriram de volta pra mim ; PORRA!

voltarei, bejios.

Pedro disse...

Nossa Jessy teu blog é otimo.
"Eu não gostaria de ter que afastar de mim tantos corações negros como tive de fazer"
... *pensando nessa frase*

paraffinè; disse...

Ah,Jessy,que sumidaça você deu! Claro que lembro! (:
Que lindo,ela escreve *-*

Postar um comentário

Nothin'